EFDeportes.com

Facebook Twitter Google +

Voleibol

16.07.2015
Brazil
POR |

Voleibol: sistema tático 5x1

O alto grau de especialização é a principal característica deste sistema, o que proporciona à equipe uma estrutura mais veloz e precisa no desenrolar do jogo
Representação das funções dos jogadores no sistema de jogo 5 x 1, na passagem de rodízio em que o levantador está na posição 1
O sistema de recepção composto pelos dois atacantes de ponta mais o líbero, com o levantador na posição 1

Introdução

Um dos aspectos característicos da evolução do voleibol é o aumento das exigências do domínio da técnica e tática de jogo, o que veio repercutir no nível de especialização das funções que o atleta executa na equipe. Baseado nesta premissa houve ao longo do tempo uma busca pelo sistema de jogo que poderia ser considerado ideal para a maximização do desempenho das equipes em quadra.

Atualmente, podemos observar a utilização de diversos sistemas de jogo para a prática do voleibol. Esses sistemas variam conforme o nível técnico dos atletas disponíveis e de acordo com a preferência do Profissional responsável pela condução da equipe.

Sendo assim, o objetivo deste estudo, caracterizado como de revisão de literatura, é de analisar criticamente o sistema de jogo 5 x 1, que é o mais utilizado por equipes de alto rendimento.

 

Revisão da literatura

Quando um treinador começa o processo de preparação de uma equipe, um dos primeiros passos a ser dado é uma avaliação aprofundada e criteriosa das características do material humano que dispõe. A habilidade do treinador em diagnosticar como melhor podem ser aproveitadas as principais virtudes de cada atleta é primordial para que o sistema escolhido seja realmente aquele que maiores benefícios trará a equipe.

No voleibol atual, a maior parte das equipes consideradas de alto rendimento utilizam o sistema de jogo 5 x 1. Esta proposta de jogo é baseada na formação que conta com apenas um levantador e cinco atacantes. O alto grau de especialização é a principal característica deste sistema, o que proporciona a equipe uma estrutura mais veloz e precisa no desenrolar do jogo, além de um maior sincronismo nas jogadas ofensivas. Assim, os seus componentes devem ser capazes de executar diferentes ações inerentes às responsabilidades das funções que exercem na equipe.

Desta forma, as equipes que utilizam este sistema geralmente apresentam uma estrutura em que os atletas são classificados como: um levantador, um atacante oposto, dois atacantes de ponta e dois atacantes centrais. Ainda existe a presença do líbero, que é um atleta com características e regras totalmente diferenciada em relação aos demais, que pode ser utilizado a critério do treinador em substituição a qualquer atleta que, no momento da substituição, esteja na área defensiva da quadra.

O Levantador é considerado pelos especialistas o cérebro da equipe. Deve dominar com maestria a técnica do toque, ser ágil, ter capacidade de liderar a equipe e uma apurada visão periférica.

Maciel et al. apontam para a necessidade deste atleta estabelecer um plano de jogo que possibilite a obtenção do máximo aproveitamento do sistema ofensivo de sua equipe. Assim, O levantador assume um papel central no desenvolvimento tático da partida e deve ser capaz de perceber fatores como o momento psicológico dos seus atacantes, configuração do bloqueio adversário, entre outros, para escolher a melhor opção de ataque em cada jogada.

O Atacante oposto é assim denominado por estar sempre em posição contrária a do levantador. Atua na extremidade da quadra, ocupando geralmente a posição dois quando está na zona ofensiva e a posição um na zona defensiva. É um jogador especialista no ataque, tanto na rede, quanto do fundo da quadra, onde minimiza a principal deficiência do sistema 5 x 1, que é o de ter apenas dois atacantes na rede nas passagens de rodízio que o levantador se encontra na área ofensiva.

É interessante que o atleta que atue nesta função seja autoconfiante e tenha bem desenvolvidas as capacidades de alcance, potência e resistência, já que normalmente será o atacante que irá decidir o maior número de jogadas ofensivas da sua equipe.

Os Atacantes centrais atuam na maioria das ações na posição três e são os principais responsáveis pela composição do bloqueio da equipe, tanto no centro da quadra quanto nas extremidades, e pela construção dos ataques das bolas mais rápidas, seja efetivamente atacando ou participando através das fintas.

Devem ser atletas velozes e com bom repertório técnico, que o permita variar os seus golpes durante a partida. Como geralmente são os atletas que dão lugar ao líbero no fundo de quadra, são atletas especialistas nas ações realizadas na rede, o que faz com que tenham uma capacidade diferenciada na percepção das ações do jogo.

Por sua vez, os Atacantes de ponta participam efetivamente de duas funções importantes na equipe: a recepção e os ataques de extremidade, principalmente pela posição quatro.

Pelo fato do líbero ser um jogador altamente especializado na recepção, há uma tendência da maioria dos saques ser feito nos ponteiros, o que aumenta a responsabilidade destes na recepção. Como temos dois jogadores que executam esta função na equipe, estes devem estar posicionados em diagonal, de forma que sempre um esteja na área ofensiva e o outro na área defensiva.

Já o Líbero foi a função mais recentemente criada no voleibol. É um atleta especialista na recepção e na defesa e, pelas limitações impostas pela regra, somente pode atuar nas posições da área defensiva da quadra.

O atleta para atuar nesta função deve ter uma grande capacidade perceptiva e alto domínio emocional para suportar o estresse causado pelas responsabilidades inerentes a esta posição.

Geralmente o líbero substitui o atacante central, após este terminar sua ação no saque. Na recepção ele obedece às limitações impostas pelo rodízio, atuando principalmente nas posições um e seis. Já na defesa, se posiciona na maior parte das ações posição cinco da quadra, devido à alta incidência de ataques neste setor.

 

Considerações finais

O sistema de jogo 5 x 1 é o mais utilizado atualmente no voleibol de alto rendimento. Todas as equipes que participam da atual superliga nacional utilizaram tal sistema, o que corrobora esta afirmação. Sua principal vantagem reside no fato de que, devido ao seu alto grau de especialização, os atletas que o compõem podem dedicar a maior parte do tempo em seus treinamentos às ações específicas inerentes as suas responsabilidades em quadra. A maior sintonia entre o levantador e os atacantes é um outro fator que viabiliza a sua utilização.

Ronaldo Nascimento Maciel
VER NOTA COMPLETA INICIO
LEER MÁS
El Webstudio