EFDeportes.com

Facebook Twitter Google +

Rehabilitación

02.07.2017
Brazil
POR |

Tratamento da paralisia facial de Bell e a prevenção de sincinesias

Este texto procura estabelecer relações entre a patologia classificada como paralisia facial de Bell e sua comorbidade mais frequente, chamada sincinesia
Ilustração do nervo e músculos faciais. Imagem retirada da Internet para melhor demonstração do nervo facial e sua anatomia.

Caracterização da paralisia facial periférica

A paralisia facial periférica é decorrente da interrupção do influxo de qualquer parte do nervo facial (VII par dos nervos cranianos). O nervo facial é um nervo misto, porém essencialmente motor que, após atravessar a glândula parótida, divide-se em dois ramos principais, que se originam múltiplos ramos secundários inervando 26 músculos faciais. A paralisia acarreta a perda, em maior ou menor grau, dos músculos faciais pode ser unilateral ou bilateral, que afeta a assimetria das expressões fisionômicas do seu portador.

Segundo Rocha e colaboradores, a chamada paralisia de Bell ou paralisia facial idiopática provoca a perda dos movimentos da musculatura facial, ou seja, paralisia dos músculos mímicos pode-se levar também a alterações e distúrbios da gustação, salivação, lacrimejamento, hiperacusia e hipoestesia no canal auditivo externo. Garanbani e colaboradores afirmam que cerca de 50% da população acometida por paralisia facial periférica a etiologia é desconhecida.

A fisioterapia neurológica tem como papel um importante elemento não medicamentoso para o tratamento da Paralisia de Bell, melhorando a motricidade facial, reduzindo assimetrias e recuperando as sensibilidades. O grau de recuperação da função do nervo facial é dependente de tempo de início do tratamento, idade do paciente, tipo de lesão, etiologia, nutrição neural, comprometimento neuro muscular e também da terapêutica instituída. A recuperação da lesão do nervo facial pode ocorrer em algumas semanas até quatro anos. Sendo assim, a fisioterapia tem como objetivo principal restabelecer o trofismo, força e função muscular. Os recursos sugeridos pela literatura são: cinesioterapia, eletrotermoterapia, massagens e estimulações sensoriais.

 

Caracterização de sincinesia

Define-se por sincinesia a ocorrência de movimentos simultâneos ou uma seqüência coordenada de movimentos de músculos inervados por diferentes nervos ou diferentes ramos do mesmo nervo.

As sincinesias, de acordo com a literatura, são as seqüelas mais freqüentes encontradas na paralisia de Bell, sendo caracterizadas como movimento involuntário que aparece em associação de um movimento voluntário de grupos musculares independentes. Dentre os tipos de sincinesia pode-se apresentar o fechamento involuntário dos olhos junto com a reação de sorrir, e a sincinesia oral, que o movimento bocal é acompanhado de movimentos da testa ou olhos.

 

Tipos de tratamento da paralisia facial de Bell

A eletroestimulação é uma técnica que ajuda no fortalecimento muscular baseada na estimulação de ramos intramusculares dos motoneurônios, que levam a contração muscular, os estímulos que a corrente elétrica produz para uma contração muscular são semelhantes aos que são gerados em contrações voluntárias.

A fisioterapia deve ter inicio nos décimo a décimo segundo dias após a instalação da patologia, pois é desaconselhável iniciar o tratamento fisioterápico em fase aguda, porque o nervo facial encontra-se isquêmico e edemaciado após o começo da doença. Acredita-se que um grande volume de estímulos levará a alteração na camada de mielina, assim provocando reinervações em lugares indesejáveis seguido por espasmos e sincinesias. Um protocolo de eletroterapia diz que eletroterapia combinada com exercícios faciais específicos, pode contribuir para a reinervação facial do paciente com paralisia facial crônica e a redução de suas complicações.

Outra possibilidade de tratamento envolve a crioterapia. O termo crioterapia é utilizado para descrever tratamentos com modalidades de frio que variam sua temperatura entre 0°C a 18,3°C. A crioterapia tem como objetivo a estimulação de pontos motores para a obtenção de contração muscular na fase flácida. Pode ser usado um cubo de gelo (com a proteção de uma toalha, durante dez minutos.

A FNP (Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva) diz respeito a facilitar o envio de informações neurais relativas ao movimento corporal e localização do mesmo no espaço. Essa técnica não esta direcionada diretamente com uma lesão, e sim com a necessidade de alcançar um nível funcional adequado do ser como um todo.

A FNP usa o principio do reflexo de estiramento e da resistência para promover a atividade e aumentar a força muscular nos músculos faciais.

O treino de mímica facial é o uso e do controle de um músculo ou grupo muscular isoladamente. Dá-se a introdução ao paciente ensinando-o a praticar os movimentos desejados enquanto olha para um espelho proporcionando um biofeedback. Segundo Nelson, biofeedback é definido pela Guide to Physical Therapist Pratice como uma técnica de treinamento que permite ao individuo conseguir algum controle voluntário sobre as funções do sistema muscular ou nervoso autonômico usando-se um dispositivo que forneça estímulos visuais ou auditivos.

A eletroestimulação não é um recurso muito recomendado, pois o seu estímulo pode causar espasmos e contraturas, que são casos mais complexos de serem tratados. Na maioria das vezes, o paciente não obtém resultados de melhoras significativas. Esta técnica deve ser utilizada apenas no início da reabilitação, quando a musculatura encontra-se flácida, e deve ser cessada com o surgimento dos primeiros movimentos voluntários. Os músculos faciais têm poucos fusos neuromusculares e suas unidades motoras são menores assim sendo sua regeneração é mais lenta. O uso da eletroterapia foi controverso, pois pode promover riscos como movimentos em massa ou sincinesias.

Assim foi possível observar que todos os casos de paralisia facial devem ser tratados, em quaisquer tipos de etiologia, até quando houver secção do nervo. Quanto antes à intervenção do profissional melhor será a chance de recuperação. Porém, após seis meses de tratamento, caso não haja uma melhora significativa, o prognóstico desse paciente se torna desfavorável e sua recuperação limitada.

 

Considerações finais

Foi possível observar que a eletroterapia é a maior causadora de sincinesias, pois seu estimulo continuo faz a recuperação das fibras nervosas lesadas ocorrem de forma supranumerária e desviada, com falhas na propagação entre axônios adjacentes ou hiperexcitabilidade nuclear. Assim observa-se na seqüela da paralisia facial movimentos incompletos e sincinesias, que devem ser evitadas. Em toda a revisão bibliográfica foi achado apenas este tipo de terapia que relata casos de sincinesias.

Carlos Alberto Santa Paula
Bruna Bergo Nader
Joaquim Maria Ferreira Antunes Neto
VER NOTA COMPLETA INICIO
LEER MÁS
El Webstudio