EFDeportes.com

Facebook Twitter Google +

Rehabilitación

06.07.2015
Brazil
POR |

A neuroplasticidade no controle motor

A neuroplasticidade é muito citada para justificar possíveis tratamentos relacionados ao controle motor, porém pouco é descrito de forma cientifica
Fluxograma do processo de inclusão dos artigos na revisão bibliográfica

Introdução

A neuroplasticidade é definida como qualquer modificação do sistema nervoso que não seja periódica e que tenha maior duração que poucos segundos. Ou ainda a capacidade de adaptação do Sistema Nervoso Central (SNC), especialmente a dos neurônios, às mudanças nas condições do ambiente que ocorrem no dia a dia da vida dos indivíduos, um conceito amplo que se estende desde resposta a lesões traumáticas até sutis alterações resultantes dos processos de aprendizagem e memória.

Pode-se citar que ocorre processo de neuroplasticidade mais acentuado em crianças pequenas, nelas percebe-se que existe um processo de aprendizado mais acentuado que ocorre desde o nascimento e se dá de maneira grandiosa nos primeiros anos de vida com maior crescimento neuronal, proporcionando uma grande capacidade de aprendizagem.

Controle motor é um processo no qual visa maximizar um estímulo inicial ou adquirido, tornando um aprendizado. A integração da neurociência demonstra que o SNC é adaptável não somente durante o desenvolvimento, mas também por toda vida. E pode ser melhorada com o enriquecimento do estudo da neuroplasticidade para melhora do controle motor que é estimulado por influências ambientais e comportamentais.

O controle motor se desenvolve a partir de um conjunto complexo de processos neurais, físicos e comportamentais que governam a postura e o movimento. Durante muito tempo acreditou-se que a lesão cerebral seria permanente, com pouco reparo e recuperação cerebral limitando o controle motor, porém nos dias de hoje é possível verificar a influência do processo plástico na reabilitação do controle motor. Partindo desta premissa, o objetivo principal deste trabalho é revisar os estudos que apontam a influência da neuroplasticidade no controle motor.

 

Material e métodos

Para compor o trabalho utilizou-se de revisão bibliográfica de artigos científicos publicados sendo realizada uma busca nos seguintes bancos de dados: Lilacs e Scielo para identificar artigos científicos ao tema.

 

Resultados

O total de artigos encontrados foi de 23 e após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão foram selecionados 15 artigos para o presente estudo, dos quais apenas 7 estavam disponíveis com texto completo.

 

Discussão e resultados

O objetivo desse trabalho foi fazer um levantamento dos artigos relacionando a plasticidade neuronal com o controle motor em diferentes alterações neurológicas através de revisão da literatura. Os dados obtidos mostraram as doenças encontradas:

  • Acidente vascular encefálico
  • Esclerose Múltipla
  • Disfunção transitória de deglutição
  • Disfunção do nervo ciático
  • Alteração vestibulococleares
  • Epilepsia na Infância

Todos os artigos descritos nesta revisão relatam a grande importância da neuroplasticidade e do controle neural na melhora do desenvolvimento motor após lesão cerebral ou alguma deficiência descrita, assim como descreve Umphred existe um grande conhecimento em relação aos mecanismos neurais que facilitam a reabilitação, porém essa falta de integração da ciência básica e da prática clínica limita o desenvolvimento de novas técnicas correlacionando os temas descritos.

De acordo com O'Sullivan e Schmitz a plasticidade neural inclui uma série de mudanças a curto prazo na eficiência ou na força das conexões entre neurônios. Sendo comprovado nos artigos o surgimento de novas conexões sinápticas quando estimuladas por terapias, podendo ser por exercícios seriados, eletroestimulação, ou até mesmo por intervenção farmacológica.

Para Lundy-Ekman pesquisadores demonstraram a neuroplasticidade ao estudar animais criados em ambientes com brinquedos e obstáculos desafiadores.

Para Teixeira e Ziegelboim et al. regiões integras do SNC estariam latentes em um estado de prontidão para serem ativadas e assumirem as funções comprometidas. Uma reorganização funcional poderia mudar qualitativamente suas funções, pois haveria uma via neural que assumiria o controle motor de funções que em situações normais não fariam parte de seu repertório. Umphred confirma que também é possível um brotamento colateral neural regenerando axônios lesados de áreas denervadas.

Sá descreve que em paciente jovens adultos portadores de esclerose múltipla o tratamento farmacológico tem boa resposta do SNC melhorando sua plasticidade, novas conexões sinápticas, proporcionando uma melhor autonomia do controle motor e aumentando consideravelmente a qualidade de vida desses pacientes. Confirmando as descrições de O’Sullivan e Schmitz, o desenvolvimento de habilidades funcionais, como o controle motor, é um processo em desenvolvimento contínuo que prossegue ao longo da vida, justificando assim que na recuperação, reaquisição de habilidades perdidas por causa de lesão é idêntica em todos os aspectos ao desempenho anterior da lesão.

Para Costa e Portela a plasticidade neural pode ser verificada através de estudos realizados com pacientes pediátricos com epilepsia, uma vez que quando ocorre a epilepsia em recém-nascidos e crianças, estes sofrem uma complexa alteração neurofisiológica do desenvolvimento motor e o tratamento cirúrgico auxiliará na diminuição do quadro de regressão do desenvolvimento neuropsicomotor. Assim, existe uma grande potencialidade do tecido cerebral ainda imaturo compensando a função de áreas ressecadas durante o procedimento, reduzindo bastante a possibilidade do surgimento de déficits neurológicos permanentes.

 

Conclusão

Há evidências surgindo que alterações plásticas acontecem no cérebro para compensar a perda da função em áreas prejudicadas, os artigos descritos justificam através de revisões bibliográficas, estudos de casos e estudos experimentais que compensações neurológicas acontecem para dar mais capacitação cerebral para melhor controle motor.

Pode-se observar uma escassez de artigos experimentais com seres humanos dificultando a criação de novas terapias associadas baseados dos resultados específicos da pesquisa da ciência básica. Tornando os conhecimentos e a veracidade deste fenômeno ainda incompleto.

Por meio desta revisão verificou-se que os estudos com seres humanos e animais percebe que a prática de tarefas ou habilidades específicas deve estar relacionada ao objetivo do tratamento: aquisição ou reaquisição do controle motor.

Conclui-se que pesquisas principalmente com seres humanos devem ser mais realizadas para uma melhor compreensão das mudanças plásticas durante a recuperação das funções nervosas.

Carlos André Barros de Souza
Flávia Alves Oliveira de Aquino
Maria de Lourdes Caldas Barbosa
Rafaela Baggi Prieto Alvarez
Tiene Teixera Turienzo
VER NOTA COMPLETA INICIO
LEER MÁS
El Webstudio