EFDeportes.com

Facebook Twitter Google +

Educación Física

22.06.2015
Brazil
POR |

Licenciatura ou Bacharelado: motivos que influenciam tal escolha em Educação Física

Este estudo apresenta os motivos de escolha e da posterior migração pelos acadêmicos do curso de Educação Física entre Licenciatura e Bacharelado
Motivos pela escolha inicial dos alunos para o curso de Licenciatura em Educação Física (%)
Motivos pela escolha inicial dos alunos para o curso de Bacharelado em Educação Física (%)
Motivos pela troca dos alunos de Licenciatura para o curso de Bacharelado em Educação Física (%)
Motivos pela troca dos alunos de Bacharelado para o curso de Licenciatura em Educação Física (%)

Introdução

Embora existam duas formações específicas na Educação Física, é possível que após a conclusão de uma dessas graduações o acadêmico faça uma complementação com a outra área de atuação tornando-se assim habilitado nas duas modalidades do curso, uma vez que a base curricular acadêmica é a mesma nas duas carreiras.

Mesmo diante dessa possibilidade, percebeu-se que a partir do primeiro semestre de formação acadêmica no ano de 2008, houve uma migração muito acentuada dos alunos matriculados no curso de Bacharelado para o curso de Licenciatura em Educação Física.

Uma vez observado esse fenômeno, o estudo nasce da inquietude, curiosidade e necessidade de se descobrir os motivos de escolha e da posterior migração pelos acadêmicos do curso de Educação Física da Faculdade Anhanguera Campinas 4 (FAC4), entre Licenciatura e Bacharelado, ingressos no ano de 2008.

 

Metodologia

Este estudo foi realizado com todos os acadêmicos da 6ª serie do curso de Educação Física da FAC4 ingressos no ano de 2008, o que constitui um total de 52 acadêmicos.

A pesquisa foi caracterizada por um estudo de caso, com uma abordagem quantitativa, que tem a preocupação com o controle e mensuração de dados ou fatos.

Como instrumento para a coleta de dados foi utilizado um questionário com aplicação direta, formado por quatro questões fechadas.

 

Resultados

A partir dos resultados obtidos, é possível afirmar que para 89% dos 19 acadêmicos que optaram em um primeiro momento pela Licenciatura, o motivo “Gosto pela Profissão” foi mais determinante.

Com relação aos outros 33 acadêmicos que optaram em um primeiro momento pelo Bacharelado, os dados obtidos foram semelhante aos da Licenciatura para o motivo mais relevante, representando para 85% dos acadêmicos “Gosto Pela Profissão”.

Nesse primeiro momento é possível afirmar que tanto para quem escolheu a Licenciatura como para quem optou pelo Bacharelado, o motivo “Gosto pela Profissão” foi disparado o mais determinante. Mas é importante lembrar que tal motivo, embora concorra para uma escolha assertiva, não foi suficiente para fazer com que os acadêmicos continuassem a cursar a opção inicialmente escolhida.

Dos 52 graduandos 27, posteriormente trocaram de opção entre as habilitações, sendo 5 da Licenciatura para o Bacharelado e 22 do Bacharelado para a Licenciatura.

Os motivos mais determinantes para tal mudança foram “Falta de conhecimento das diferenças entre as habilitações” para 60% dos acadêmicos, seguido por “Frustração com a primeira opção” e “Mercado de Trabalho”, ambos representando 20% dos acadêmicos. Neste cenário também fica evidenciado que os motivos menos determinantes para a troca entre os acadêmicos da Licenciatura foram respectivamente “Status” para 60%, e “Tempo de Curso” e “Influência de Amigos” ambos para 20 % dos acadêmicos.

No que concerne aos acadêmicos do Bacharelado, observou-se que a “Falta de conhecimento entre as habilitações” representou um recorte ainda maior, de aproximadamente 70% dos acadêmicos para a troca entre as habilitações, seguido por “Tempo de Curso” para 14% dos acadêmicos, “Mercado de Trabalho” também para 14%, e “Status” para 05% dos acadêmicos.

Como aspectos menos significativos para a determinação da troca entre as habilitações para os acadêmicos do Bacharelado, foi possível observar a “Influência de Amigos” para 36% dos acadêmicos, “Frustração com a primeira Opção” para 32%, “Status” para 27% e “Tempo de Curso” para 05% dos acadêmicos.

 

Conclusão

Um Estudo de Caso pode representar um recorte parcial, temporal e de sujeitos, revestidos de provisoriedade, mas que neste caso seus apontamentos podem contribuir significativamente para que futuros acadêmicos possam fazer uma escolha consciente e coerente e efetivamente assertiva.

O momento de escolha entre as possíveis habilitações em Educação Física passa a ser para o futuro acadêmico, pela sua própria essência, uma incógnita de alta complexidade, pois ainda influenciado por diversos fatores como mídia, colegas e familiares, que tem para si a falta de informações sobre as mudanças contemporâneas ocorridas na Educação Física, concorrem para uma opção equivocada pelo candidato à universidade.

Portanto sem a pretensão de constituir uma verdade absoluta sobre o tema em questão, é possível considerarmos a partir dos resultados obtidos durante a execução deste trabalho, que as mudanças ocorridas no atual momento da Educação Física no âmbito Nacional ainda podem ser consideradas extremamente recentes. De modo que a Educação Física construiu uma imagem caricata tão forte ao longo dos tempos, que ainda hoje é capaz de influenciar futuros acadêmicos na sua escolha, uma vez que grande parte dos ingressos nas Instituições de Ensino Superior pouco sabe sobre a profissão. Porém esse quadro funesto deve ser modificado em seu devido tempo, constituindo uma nova imagem e construindo um novo paradigma para a profissão, tendo-nos como protagonistas.

Crisler de Oliveira Borges
Leandro de Melo Beneli
VER NOTA COMPLETA INICIO
LEER MÁS
El Webstudio